O Yoga é uma prática milenar originária da Índia que transcende as posturas físicas (asanas) que costumam ser seu aspecto mais visível. A palavra “yoga” vem da raiz sânscrita “yuj”, que significa “unir, juntar”.

O Yoga busca unir nossos lado físico com a nossa essência espiritual e divina. Em muitas filosofias indianas, acredita-se que a ideia de que estamos separados dessas duas partes é uma ilusão, chamada de maia.

O Yoga é uma filosofia de vida que inclui práticas físicas, mentais e espirituais que tem como objetivo final, Moksha, ou liberação do ciclo de nascimento e morte (Samsara). Moksha é alcançado quando a individualidade do ser é dissolvida e a identidade funde-se com a realidade absoluta, o Brahman, que é a verdade suprema ou o poder divino universal. Nesse estado, a pessoa alcança um tipo de paz, felicidade e liberdade que é inalterada pelas circunstâncias externas.

A história do yoga é longa e suas raízes podem remontar a mais de 5 mil anos atrás. O yoga foi mencionado pela primeira vez na literatura indiana antiga, como os Vedas, que são os textos sagrados da tradição hindu, considerados os mais antigos textos literários da Índia e incluem os primeiros registros escritos de práticas de yoga.

Shiva, um dos principais deuses do hinduísmo tem o título de Adiyogi, o primeiro Iogue. Shiva é conhecido como o deus da destruição e da transformação e é considerado o primeiro guru ou mestre do yoga. Segundo a tradição, Adiyogi ensinou os princípios do yoga a sete sábios, o que o tornou o pai do yoga.

“É necessário transformar o velho para que o novo apareça” (Shiva, Adiyogi)

O yoga foi desenvolvido ao longo dos séculos como uma filosofia de vida que ensina a harmonia entre o indivíduo e o universo. Os primeiros textos sobre o yoga além de descreverem práticas físicas, mentais e espirituais, também são conhecidos por seus ensinamentos éticos e morais, que incluem a não violência, a verdade, a moderação, a não acumulação, o contentamento…

Ao longo da história, a transmissão de todo o conhecimento que forma o yoga, passou de mestre para discípulo através de ensinamentos orais e foi desenvolvido e moldado por muitos mestres diferentes. A partir do século 19, quando os primeiros mestres de yoga começaram a viajar para o ocidente, o yoga começou a ser praticado fora da Índia e se espalhou por todo o mundo.

Alguns dos mestres mais importantes que trouxeram o yoga para o Ocidente são:

  1. Swami Vivekananda: foi um importante mestre hindu que viajou para o Ocidente no final do século XIX e começou a ensinar o yoga. Ele foi um dos primeiros mestres indianos a levar o yoga para o Ocidente e foi um importante influenciador na popularização do yoga.
  2. Paramahansa Yogananda: foi um mestre indiano de yoga que viajou para o Ocidente no início do século XX. Ele é conhecido por ter escrito o livro “Autobiografia de um Iogue”, que é um dos livros mais populares sobre o yoga e a espiritualidade indiana no Ocidente. Ele fundou a Self-Realization Fellowship de Yoga, que é uma organização internacional com sede nos Estados Unidos que ensina Kriya Yoga. Paramahansa Yogananda foi um importante influenciador na popularização do yoga no Ocidente e é amplamente respeitado pelos praticantes de yoga em todo o mundo.
  3. B.K.S. Iyengar: foi um mestre indiano de yoga que viajou para o Ocidente no início do século XX e começou a ensinar o yoga. Ele é conhecido por ter desenvolvido uma técnica de ensino precisa e detalhada das posturas físicas (asanas) do yoga e por ter escrito vários livros sobre o yoga.
Paramahansa Yogananda

No Brasil, o Professor Hermógenes foi um dos pioneiros na difusão do yoga. Ele nasceu em 1921 e deixou seu corpo em 2015.

Hermógenes era professor de literatura, mas após sofrer de problemas de saúde, ele descobriu o yoga como uma forma de tratamento. Ele se tornou um praticante de yoga e dedicou grande parte de sua vida ao ensino e divulgação da prática no Brasil.

Ele é autor de vários livros sobre yoga, sendo “Autoperfeição com Hatha Yoga” um dos mais conhecidos e é considerado uma obra prima para o entendimento do Hatha Yoga no Brasil. Neste livro, ele explica a filosofia do yoga e fornece instruções detalhadas para a prática de posturas, respiração e relaxamento.

Ele fundou o Instituto de Yoga Professor Hermógenes, uma das primeiras escolas de yoga no Brasil, que continua a oferecer aulas e formações em yoga.

Hermógenes acreditava que o yoga poderia ser uma ferramenta poderosa para a saúde e bem-estar, e ele enfatizava a importância do yoga como um meio de cultivar a autoconsciência e a autotransformação, além de seus benefícios físicos.

A contribuição do Professor Hermógenes para o yoga no Brasil é imensurável. Ele foi fundamental na popularização do yoga e na formação de muitos dos professores de yoga que hoje ensinam no Brasil. Sua abordagem ao yoga, que enfatiza a integração do corpo, mente e espírito, continua a influenciar a prática de yoga no país.

Há muitos estilos diferentes de yoga, cada um com suas próprias características únicas. Alguns estilos são mais dinâmicos e incluem sequências mais rápidas de posturas, enquanto outros são mais calmos e contemplativos.

Os Vedas

Os Vedas são compostos por quatro coleções de textos: os Rig-Veda, os Sama-Veda, os Yajur-Veda e os Atharva-Veda. Esses textos foram escritos em sânscrito, uma língua antiga da Índia, e são considerados sagrados pelos hindus.

Os Vedas são textos épicos que abordam muitos tópicos, como ciência, filosofia, religião, política e arte. Eles também incluem os primeiros registros escritos de práticas de yoga. Além disso, os Vedas contêm os ensinamentos éticos e morais da tradição hindu.

Os Vedas são considerados sagrados pelos hindus e são reverenciados como fontes de conhecimento e sabedoria. Eles são frequentemente citados como a base da filosofia e são estudados por aqueles que seguem a tradição.

Os Upanishads (conhecidos como vedanta = o fim dos Vedas ) são textos hindus que explicam os ensinamentos místicos e filosóficos da tradição. Eles fazem parte dos Vedas e são considerados os textos mais profundos e místicos dessa tradição. Os Upanishads exploram questões como o eu, o universo, a natureza da realidade e o papel do ser humano na vida.

Os Upanishads foram escritos por volta do século VIII a.C. até o século II d.C. Existem cerca de 200 Upanishads diferentes, mas alguns dos Upanishads mais famosos e influentes incluem:

  1. O Bhagavad Gita: Este é um dos Upanishads mais conhecidos e é considerado uma das fontes principais da filosofia do yoga. Ele é composto por 700 versos e foi escrito por volta do século III a.C. Ele é incluído no livro sânscrito chamado Mahabharata, que é um dos textos mais importantes da tradição hindu.
  2. O Chandogya Upanishad: Este é um dos Upanishads mais antigos. Ele explora questões relacionadas ao eu, o universo e a natureza da realidade.
  3. O Kena Upanishad: Este é um dos Upanishads mais curtos e explora questões profundas e instrutivas sobre a natureza da realidade, o conhecimento divino e a relação entre o homem e o divino
  4. O Katha Upanishad: Este é um dos Upanishads que explora questões relacionadas a profundidade da morte, da moralidade, do autoconhecimento e da natureza do ser.
  5. O Mandukya Upanishad: Este é um dos Upanishads mais curtos e apresenta o “Om” (AUM), um som sagrado, como símbolo do universo, além de descrever os quatro estados de consciência.

Esses são alguns dos Upanishads mais famosos e influentes, mas há muitos outros Upanishads importantes que também são estudados e seguidos por praticantes de yoga em todo o mundo.

Yoga de Patanjali

Os Yoga Sutras de Patanjali, uma das escrituras fundamentais do Yoga, é composto de 196 sutras (versos curtos e concisos), divididos em quatro partes ou capítulos, conhecidos como Padas. Cada Pada se concentra em um aspecto diferente do Yoga. Aqui estão eles:

  1. Samadhi Pada (Capítulo da Contemplação): Esta seção discute o que é yoga e fornece uma definição. Patanjali apresenta o conceito de “Chitta Vritti Nirodha”, que se refere ao silenciamento das flutuações da mente, como o objetivo da prática do yoga. Ele também apresenta o conceito de Samadhi, o estado de superconsciência.
  2. Sadhana Pada (Capítulo da Prática): Esta seção explica como alcançar o estado de yoga. Patanjali descreve o caminho de oito membros (Ashtanga Yoga).
  3. Vibhuti Pada (Capítulo dos Poderes): Este capítulo descreve os “siddhis” ou poderes sobrenaturais que podem ser obtidos pela prática do yoga. No entanto, Patanjali adverte que esses poderes podem ser uma distração no caminho para a iluminação.
  4. Kaivalya Pada (Capítulo da Liberação): Este é o capítulo final que discute o que acontece quando um yogi alcança a iluminação ou “Kaivalya”, que é a libertação do ciclo de nascimento e morte e a realização da unidade com o universo.

Patanjali, um mestre do yoga que viveu na Índia há mais de 2.000 anos, forneceu um caminho com oito princípios, que são um conjunto de orientações éticas e práticas espirituais que são considerados fundamentais para a prática do yoga.

Os Oito Princípios do Yoga (ashtanga yoga¹ = oito membros) de Patanjali são:

1 – Yama: os cinco yamas são os compromissos éticos que devemos manter em relação aos outros.

  1. Ahimsa: não violência ou compaixão pelos seres vivos.
  2. Satya: verdade ou honestidade.
  3. Asteya: não roubo ou honestidade material.
  4. Brahmacharya: moderação na vida sexual ou castidade.
  5. Aparigraha: não possessividade ou desapego aos bens materiais.

Os yamas são considerados a base para o desenvolvimento espiritual e são praticados como uma forma de controlar e disciplinar a mente e o corpo. São vistos como uma forma de cultivar uma vida ética e virtuosa e de promover o bem-estar e a felicidade de todos os seres. A prática dos yamas é considerada fundamental para a prática do yoga e para o desenvolvimento de uma vida plena e significativa.

2 – Niyama: são os compromissos éticos que devemos manter em relação a nós mesmos.

Niyama se refere a cinco principais disciplinas ou observâncias internas que são consideradas essenciais para a prática do yoga e para o desenvolvimento espiritual. Esses cinco niyamas são:

  1. Saucha: limpeza ou pureza física e mental.
  2. Santosha: contentamento ou satisfação com o que se tem.
  3. Tapas: autodisciplina ou esforço para alcançar um objetivo.
  4. Svadhyaya: estudo de si mesmo ou auto-reflexão.
  5. Ishvara pranidhana: dedicação a um poder superior ou a Deus.

3 – Asana: os asanas são as posturas corporais usadas na prática do yoga. Eles são um componente importante da prática do yoga, pois ajudam a fortalecer e alongar os músculos, aumentar a flexibilidade e a força, e promover o relaxamento e o bem-estar.

O Yoga Sutras de Patanjali faz poucas referências a asanas, ou posturas físicas do yoga. O texto de Patanjali foca na experiência do praticante em vez de posturas físicas específicas. O objetivo do yoga como Patanjali o vê, é principalmente sobre a cessação das flutuações da mente e menos sobre a realização de posturas físicas complexas.

Patanjali diz: “Sthira sukham asanam”, que pode ser traduzido como “A postura (asana) deve ser estável (sthira) e confortável (sukham)”. Essa definição é bastante abrangente e não restringe asanas a qualquer postura física específica. O objetivo é sugerir que, independentemente da postura escolhida, ela deve permitir ao praticante se sentir estável e confortável para promover a meditação.

Patanjali acrescenta ainda que a perfeição no asana é alcançada quando o esforço para a prática é abandonado, levando a um estado onde a pessoa não é perturbada pelos aspectos físicos. Ao alcançar essa perfeição no asana, o yogi vai além, referindo-se à experiência de um estado de paz e equilíbrio que transcende as dualidades da experiência humana.

Os primeiros asanas de yoga, como os conhecemos hoje, apareceram em textos hindus que datam do século VI ao XI. No entanto, a forma sistemática e detalhada de asanas que é familiar para os praticantes de yoga contemporâneos só começou a ser documentada muito mais tarde, em manuais como o “Hatha Yoga Pradipika”, “Gheranda Samhita” e “Shiva Samhita”.

Existem muitos asanas diferentes no yoga, cada um com seus próprios benefícios específicos. Alguns exemplos comuns de asanas incluem:

  • Adho Mukha Svanasana (Postura do Cão de Cabeça para Baixo): um asana de fortalecimento que fortalece as pernas, o braço e as costas.
  • Balasana (Postura da Criança): um asana de relaxamento que ajuda a diminuir o estresse e a ansiedade.
  • Bhujangasana (Postura do Cobra): um asana que fortalece os braços, as costas e o core.
  • Padmasana (Postura da Flor de Lótus): um asana de meditação que promove a estabilidade e o equilíbrio.
  • Savasana (Postura da Cadáver): um asana de relaxamento que ajuda a diminuir a tensão muscular e a promover a relaxação profunda.

É importante lembrar que cada asana tem suas próprias contraindicações e precauções, e é sempre recomendado começar com asanas mais simples e trabalhar até os mais avançadas com o tempo. É também importante praticar com um professor qualificado e seguir as instruções de forma segura para evitar lesões.

4 – Pranayama: o pranayama é o controle da respiração, que é um componente importante da prática do yoga. Ele envolve a prática de exercícios de respiração específicos para aumentar a consciência do prana (ou energia vital) e promover o relaxamento e a clareza mental.

Existem muitos tipos diferentes de pranayamas, cada um com seus próprios benefícios e efeitos. Alguns exemplos comuns de pranayamas incluem:

  • Ujjayi: um tipo de respiração que envolve o bloqueio parcial da glote para criar um som suave e constante. É comumente usado em práticas dinâmicas de yoga para ajudar a manter o ritmo e a concentração.
  • Nadi Shodhana: um tipo de respiração alternada que envolve o bloqueio de uma narina enquanto a outra é usada para inspirar e expirar. É considerado um pranayama calmante e equilibrante.
  • Bhastrika: um tipo de respiração vigorosa que envolve a expiração rápida e vigorosa seguida por uma inspiração rápida. É considerado um pranayama fortalecedor e energizante.

5 – Pratyahara: o pratyahara é a retirada dos sentidos do mundo exterior e a concentração no mundo interno. É um passo importante na prática da meditação e do yoga, pois ajuda a diminuir a distração e aumentar a concentração.

Ele é considerado um pré-requisito para os outros princípios do yoga, como dharana (concentração) e dhyana (meditação).

Existem muitas técnicas diferentes para praticar o pratyahara, mas algumas dicas gerais incluem:

  • Escolha um local tranquilo e sem distrações para praticar.
  • Feche os olhos e concentre-se na respiração.
  • Mantenha a mente focada no presente e evite deixar que os pensamentos divaguem.
  • Use uma música tranquila ou um mantra para ajudar a manter a concentração.

O pratyahara pode ser um processo desafiador no começo, mas com a prática regular, é possível desenvolver a habilidade de manter a mente focada e clara. É importante lembrar que pratyahara é um passo importante na prática do yoga, mas é apenas um dos oito princípios e deve ser praticado em conjunto com os outros sete princípios.

6 – Dharana: o dharana é a concentração profunda em um objeto ou ideia específica. É um passo importante na prática da meditação e do yoga, pois ajuda a desenvolver a habilidade de manter a mente focada e clara.

A prática de dharana envolve a concentração profunda em um objeto ou ideia específica, como uma vela acesa ou um mantra, enquanto se mantém a mente clara e livre de distrações. Isso pode ser feito através da visualização ou da concentração em um objeto ou ideia específica.

A prática regular de dharana pode ajudar a promover a concentração, a claridade mental e o bem-estar geral. É também importante lembrar que a prática de dharana exige prática e paciência, pois a mente tende a ser facilmente distraída no início.

7 – Dhyana: o dhyana é o estado de meditação profunda e sem distrações. É um estado de paz e equilíbrio interno que é alcançado através da prática do dharana e pratyahara.

A prática de dhyana envolve a imersão total em um estado de meditação profunda, onde a mente está completamente clara e livre de distrações. É um estado de completa atenção e concentração, onde o praticante é capaz de manter a mente focada em um objeto ou ideia específica por períodos prolongados de tempo sem ser afetado por distrações externas.

A prática regular de dhyana pode ajudar a promover a concentração, a claridade mental e o bem-estar geral.

8 – Samadhi: o samadhi é o estado de iluminação espiritual, que é alcançado através da prática da dhyana. É um estado de completa união com o Absoluto e é considerado o objetivo final da prática do yoga.

Em samadhi, a mente se aprofunda em uma experiência de união com o objeto da meditação, como um Deus ou um mantra, e se desconecta do mundo exterior e das distrações. É um estado de paz e felicidade profunda e é considerado um dos objetivos finais do yoga.

Esses oito princípios são considerados uma “escada” para o autoconhecimento e a iluminação espiritual, e são geralmente praticados em conjunto para ajudar os praticantes a se desenvolverem física e espiritualmente.

Hatha Yoga Pradipika

O Hatha Yoga Pradipika é um texto clássico que detalha os ensinamentos do Hatha Yoga, uma forma de yoga que se concentra nas posturas físicas (asanas), controle da respiração (pranayama) e técnicas de purificação do corpo. A palavra “hatha” é frequentemente interpretada como “força” e este tipo de yoga é considerado o fundamento do yoga físico que conhecemos hoje.

Escrito no século XV pelo sábio Swami Swatmarama, o Hatha Yoga Pradipika é composto de quatro capítulos que descrevem uma variedade de técnicas e práticas.

1. Asanas (Posturas): O primeiro capítulo descreve 15 asanas, a maioria dos quais são posturas sentadas adequadas para meditação. Embora isso seja apenas uma fração das posturas de yoga que conhecemos hoje, esses asanas formam a base das práticas posturais. As posturas mencionadas incluem a postura de lótus (Padmasana), a postura do peixe (Matsyasana) e a postura do pé atrás da cabeça (Kurmasana), entre outras.

2. Pranayama (Controle da Respiração): No segundo capítulo, Swatmarama discute o pranayama, ou técnicas de controle da respiração. Ele menciona várias técnicas de respiração, incluindo o controle da inalação, exalação e retenção da respiração, e descreve como elas podem ser usadas para purificar o corpo e controlar o fluxo de energia vital, ou prana.

Manuscrito de Hatha Yoga Pradipika do Século 19 que foi digitalizado pelo British Museum

3. Mudras e Bandhas (Selos e Fechaduras): O terceiro capítulo explora 10 mudras e bandhas, que são práticas energéticas que envolvem gestos, posturas e bloqueios internos. Essas técnicas são usadas para canalizar a energia prânica no corpo e despertar a energia espiritual adormecida, conhecida como kundalini. Alguns exemplos de mudras e bandhas descritos incluem Mula Bandha (Fecho da Raiz), Uddiyana Bandha (Fecho do Abdômen) e Jalandhara Bandha (Fecho da Garganta).

4. Samadhi (Iluminação): No último capítulo, Swatmarama descreve o samadhi, um estado de consciência unificada e elevada que é o objetivo final da prática do yoga. Ele discute como as práticas de asana, pranayama e mudra levam ao samadhi e como o despertar da kundalini pode levar a experiências de estados superiores de consciência.

O Hatha Yoga Pradipika é um dos textos mais influentes sobre Hatha Yoga e tem sido fundamental na formação das práticas modernas de yoga.

Yoga e Ayurveda

Yoga e Ayurveda são duas práticas antigas que surgiram na Índia e que compartilham muitos princípios e objetivos em comum. Ambas visam promover a saúde e o bem-estar integral, abordando não apenas o corpo físico, mas também a mente e o espírito. Embora cada uma delas seja uma disciplina distinta, elas se complementam e, juntas, oferecem uma abordagem abrangente para a vida saudável e equilibrada.

O Ayurveda é uma antiga ciência médica indiana que se concentra no equilíbrio dos três doshas (Vata, Pitta e Kapha), que são energias ou princípios que governam as funções fisiológicas do corpo. De acordo com a filosofia Ayurveda, a saúde é um estado de equilíbrio entre esses doshas, e a doença é o resultado de um desequilíbrio. Lembrando sempre que há outros fatores que podem levar um corpo e uma mente adoecer.

A prática do yoga é vista no Ayurveda como uma ferramenta poderosa para ajudar a manter ou restaurar esse equilíbrio. Por exemplo, certas posturas de yoga podem ser usadas para acalmar o dosha Vata, enquanto outras podem ser usadas para esfriar o dosha Pitta. Da mesma forma, as técnicas de pranayama (respiração controlada) podem ser usadas para regular o prana, ou força vital, que é um conceito-chave em ambas as disciplinas.

Os princípios do Ayurveda podem ser usados para personalizar e melhorar a prática do yoga. Por exemplo, uma pessoa com uma constituição predominantemente Vata pode se beneficiar de uma prática de yoga mais calma e fundamentada, enquanto uma pessoa com uma constituição predominantemente Pitta pode se beneficiar de uma prática mais refrescante e relaxante.

Além disso, tanto o Ayurveda quanto o yoga vêem a dieta e o estilo de vida como elementos-chave para a saúde. Ambas as disciplinas enfatizam a importância de uma dieta equilibrada e nutritiva, um sono adequado, e um estilo de vida que inclua práticas regulares de auto-cuidado e meditação.

O Ayurveda muitas vezes prescreve práticas de Yoga como parte de um plano de tratamento para promover a saúde e o bem-estar geral. Da mesma forma, a prática do Yoga pode ser aprimorada e personalizada com base nos princípios do Ayurveda.

Os Principais tipo de Yoga

Existem vários caminhos diferentes para praticar Yoga, cada um com suas próprias abordagens e ideias sobre a melhor maneira de fazê-lo. Mas, no fundo, todos eles buscam libertar nossa consciência individual da ilusão (maia), para que possamos nos unir à consciência maior, ou perceber que nunca estivemos separados dela.

Alguns dos principais tipos de yoga incluem:

Hatha yoga: é uma forma de yoga física que enfatiza posturas e exercícios respiratórios.

Hatha yoga é um tipo de yoga que se concentra na prática de asanas (posturas de yoga) e pranayama (técnicas de respiração). Hatha yoga é uma palavra em sânscrito que se refere ao equilíbrio dos dois principais fluxos de energia no corpo, o sol e a lua, que são simbolizados pelos termos “ha” e “tha”, respectivamente. O objetivo da prática do Hatha yoga é equilibrar esses dois fluxos de energia e promover o bem-estar físico e mental.

A prática do Hatha yoga inclui a execução de uma série de posturas de yoga que trabalham diferentes partes do corpo e promovem a flexibilidade, força e equilíbrio. As posturas de yoga são realizadas juntamente com técnicas de respiração e são geralmente realizadas em uma sequência. A prática do Hatha yoga também inclui a meditação e a concentração, que ajudam a acalmar a mente e a promover o bem-estar emocional.

Hatha yoga é uma das formas mais populares de yoga e é apropriado para pessoas de todas as idades e níveis de condicionamento físico. O objetivo da prática do Hatha Yoga, segundo o Hatha Yoga Pradipika, é alcançar a união entre o corpo e a mente, o que é considerado um pré-requisito para a realização da libertação espiritual.

O Hatha Yoga Pradipika é um texto importante para aqueles que desejam se aprofundar na prática do Hatha Yoga e na filosofia do Yoga de maneira geral. Ele oferece uma visão detalhada e completa das técnicas e práticas do Hatha Yoga, bem como orientações para aplicá-las na vida cotidiana.

Vinyasa yoga: é uma forma dinâmica de yoga que enfatiza a conexão entre a respiração e o movimento.

Os praticantes movem-se de uma postura para outra de forma fluida, geralmente sincronizando o movimento com a respiração. O vinyasa yoga é conhecido por ser um tipo de yoga vigoroso e ajuda a melhorar a força, a flexibilidade e o equilíbrio.

O vinyasa yoga também é conhecido por ser uma forma de yoga meditativa, pois requer concentração e presença na execução das posturas. Alguns benefícios do vinyasa yoga incluem o aumento da força e da flexibilidade, o alívio do estresse e da tensão, o aumento da consciência corporal e a melhora do sono.

É importante notar que o vinyasa yoga pode ser um tipo de yoga físico exigente e, portanto, pode não ser adequado para todos. Se você estiver interessado em praticar vinyasa yoga, é importante começar devagar e trabalhar com um instrutor de yoga experiente para garantir que está praticando de forma segura e eficaz.

Ashtanga yoga: é uma forma de yoga rígida e sistemática que segue um conjunto específico de posturas e é praticada de forma rápida e fluida. O Ashtanga yoga é dividido em seis séries, cada uma com um conjunto de posturas que devem ser realizadas na sequência específica. As séries variam em dificuldade e são ensinadas em uma ordem específica, começando pela primeira série e progredindo até a sexta série.

O Ashtanga yoga é conhecido por ser um tipo de yoga físico exigente que pode ajudar a melhorar a força, a flexibilidade e o equilíbrio. Além disso, o Ashtanga yoga também é uma forma de yoga meditativa que pode ajudar a promover o foco e a concentração.

Se você estiver interessado em praticar Ashtanga yoga, é importante começar devagar e trabalhar com um instrutor de yoga experiente para garantir que está praticando de forma segura e eficaz. É importante lembrar que o Ashtanga yoga é um tipo de yoga físico exigente e pode não ser adequado para todos.

Iyengar yoga: é uma forma de yoga que enfatiza a precisão e o alinhamento na execução das posturas. É uma forma de yoga física que pode ajudar a melhorar a força, a flexibilidade e o equilíbrio.

O Iyengar yoga também é conhecido por utilizar acessórios, como blocos, cintos e cobertores, para ajudar os praticantes a se ajustarem e a se alinharem corretamente nas posturas. Isso pode ser particularmente útil para pessoas que têm limitações físicas ou que estão começando a praticar yoga.

Além de seus benefícios físicos, o Iyengar yoga também pode ajudar a promover o bem-estar mental e emocional, pois requer concentração e presença na execução das posturas.

Bikram yoga: é uma forma de yoga que é praticada em um ambiente quente e úmido e segue um conjunto específico de 26 posturas. O Bikram yoga é praticado em uma sala aquecida a cerca de 40 graus Celsius e com uma umidade de cerca de 40%.

O Bikram yoga é conhecido por ser um tipo de yoga físico exigente que pode ajudar a melhorar a força, a flexibilidade, o equilíbrio, aumento da circulação sanguínea, a melhora da digestão e o alívio do estresse.

O seu idealizador se envolveu em diversas polêmicas e recentemente um documentário da NETFLIX trouxe de forma elaborada o que houve nesse caso.

Kundalini yoga: é uma forma de yoga espiritual que enfatiza a energia da kundalini, uma energia que reside no chakra base do corpo. O Kundalini yoga é praticado através de técnicas de respiração, mantras, posturas de yoga e meditação, e é projetado para despertar e elevar a energia da kundalini.

O Kundalini yoga é conhecido por ser uma forma de yoga física e mentalmente exigente. Além disso, o Kundalini yoga ajuda a promover o foco, a concentração, o aumento da consciência espiritual e a melhora do bem-estar emocional.

Restorative yoga: é uma forma de yoga que enfatiza o relaxamento e o repouso. Ele é praticado através de posturas de yoga suaves e relaxantes que são sustentadas por acessórios, como cobertores, almofadas e blocos, para ajudar os praticantes a se sentirem confortáveis e seguros. O restorative yoga é geralmente praticado em uma sala tranquila e pode ser uma ótima maneira de aliviar o estresse e a fadiga.

O restorative yoga pode ser um tipo de yoga acessível para pessoas de todas as idades e níveis de condicionamento físico e pode ser praticado por aqueles que têm limitações físicas ou que estão recuperando de lesões.

É importante lembrar que o restorative yoga é um tipo de yoga suave e relaxante e não é um substituto para um médico.

Esses são apenas alguns exemplos dos muitos tipos de yoga disponíveis. É importante escolher o tipo de yoga que melhor atenda às suas necessidades e objetivos pessoais.

Yoga Além do Tapete

Agora que vimos que o yoga vai além das posturas físicas (asanas), podemos transformar nosso cotidiano, tornando-o mais equilibrado e harmonioso. Vamos entender como isso acontece?

Para começar, o yoga nos ensina a respirar de maneira correta. Parece simples, certo? Mas a verdade é que, na correria do dia a dia, muitas vezes nos esquecemos de prestar atenção à nossa respiração. Através do pranayama, uma técnica de controle da respiração, o yoga nos ajuda a manter a mente calma e concentrada, mesmo nos momentos de maior estresse.

A meditação, outro aspecto importante do yoga, também pode ser incorporada no seu dia a dia. Não é necessário passar horas em silêncio para meditar. Apenas alguns minutos de atenção plena, sejam no início do dia, durante o almoço ou antes de dormir, podem fazer uma grande diferença na sua percepção de si mesmo e do mundo ao seu redor.

O yoga também nos ensina os yamas e niyamas, princípios éticos que são como um guia para uma vida justa e equilibrada. Eles nos lembram da importância da honestidade, da não-violência, da limpeza, do contentamento e da autodisciplina. Esses princípios podem ser aplicados em todas as nossas interações, ajudando-nos a criar relações mais saudáveis e harmoniosas.

As posturas (asanas), do yoga, não precisam ser realizadas apenas durante uma aula de yoga. Elas podem ser úteis em vários momentos do dia, especialmente quando sentimos tensão ou desconforto físico. Uma simples torção da coluna pode aliviar a tensão nas costas depois de um dia sentado na frente do computador.

E, finalmente, o yoga nos ensina a cultivar a gratidão. Ao reconhecer as coisas boas da nossa vida e agradecer por elas, passamos a ter uma atitude mais positiva, o que contribui para a nossa felicidade e bem-estar geral.

Então, como você pode ver, o yoga é muito mais do que apenas uma prática física. É uma filosofia de vida que, quando integrada no nosso dia a dia, nos permite viver de maneira mais consciente, harmoniosa e equilibrada. Por isso, da próxima vez que você pisar no seu tapete de yoga, lembre-se de que a prática não termina quando a aula acaba. Ela continua influenciando cada aspecto da nossa vida.

Benefícios do Yoga

O yoga além de promover o autoconhecimento, a paz interior e o bem-estar geral, traz benefícios logo nas primeiras sessões.

Aqui estão alguns dos possíveis benefícios do yoga:

Melhora a flexibilidade e o equilíbrio: o yoga envolve o alongamento de diferentes músculos do corpo e o exercício de posturas que desafiam o equilíbrio. Isso ajuda a melhorar a flexibilidade e o equilíbrio geral.

Fortalece os músculos: algumas posturas de yoga exigem que o praticante sustente o próprio peso corporal em diferentes posições. Isso fortalece os músculos, especialmente nas pernas, braços e costas.

Alivia o estresse: a respiração profunda e a concentração na prática do yoga podem ajudar a relaxar o corpo e a mente, o que ajuda a aliviar o estresse.

Melhora a respiração: a prática do yoga inclui a conscientização da respiração, o que ajuda a melhorar a capacidade pulmonar e a respiração geral.

Promove a saúde mental: o yoga pode ajudar a melhorar a autoestima, a concentração e a clareza mental, além de ajudar a diminuir a ansiedade e a depressão.

Melhora a circulação: as posturas de yoga que envolvem o alongamento dos músculos das pernas ajudam a melhorar a circulação sanguínea.

Alivia a dor: algumas posturas de yoga podem ajudar a aliviar a dor nas costas, pescoço e ombros.

Melhora o sono: a prática do yoga regularmente pode ajudar a relaxar o corpo e a mente, o que leva a um sono mais profundo e reparador.

Melhora a digestão: algumas posturas de yoga podem ajudar a estimular a digestão e a eliminação dos resíduos do corpo.

Promove a saúde geral: o yoga pode ajudar a melhorar a postura, aumentar a resistência cardiovascular e diminuir o risco de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão.

Novamente, é importante lembrar, no entanto, que o yoga não é um substituto para o tratamento médico e os benefícios do yoga podem variar de pessoa para pessoa e que é sempre recomendável consultar um médico antes de começar qualquer prática.

E assim, caminhamos juntos ao longo deste incrível universo do Yoga, explorando suas raízes, suas práticas e seus objetivos profundos.

Lembre-se, Yoga é uma jornada pessoal, única para cada um de nós, e é normal ter dúvidas ou perguntas ao longo do caminho. Se você tiver alguma questão, se algo não estiver claro ou se quiser apenas compartilhar seus pensamentos e experiências, por favor, não hesite em deixar um comentário ou entrar em contato conosco.

Estamos aqui para ajudá-lo nesta jornada, porque, no fim das contas, Yoga é união, é comunidade. Namastê!

Bibliografia

The Yoga Sutras of Patanjali” de Patanjali. Tradução de Chip Hartranft. Boston: Shambhala Publications, 2003.

The Bhagavad Gita” de Krishna. Tradução de Eknath Easwaran. Tomales, CA: Nilgiri Press, 2007.

Hatha Yoga Pradipika” de Swami Swatmarama. Tradução de Pancham Sinh. Delhi: Motilal Banarsidass Publishers, 1992.

“Light on Yoga” de B.K.S. Iyengar. Nova York: Schocken Books, 1979.

“The Complete Guide to Yin Yoga: The Philosophy and Practice of Yin Yoga” de Bernie Clark. Encinitas, CA: YMAA Publication Center, 2002.

“The Secret Power of Yoga: A Woman’s Guide to the Heart and Spirit of the Yoga Sutras” de Nischala Joy Devi. Nova York: Three Rivers Press, 2007.

“The Heart of Yoga: Developing a Personal Practice” de T.K.V. Desikachar. Nova York: Inner Traditions, 1995.

“Yoga and the Quest for the True Self” de Stephen Cope. Nova York: Bantam Books, 1999.

“The Science of Yoga: The Risks and the Rewards” de William J. Broad. Nova York: Simon & Schuster, 2012.

“The Yoga Tradition: Its History, Literature, Philosophy and Practice” de Georg Feuerstein. Prescott, AZ: Hohm Press, 1998.

Deixe um comentário

× Posso te ajudar?