Cientistas do Reino Unido treinaram um sistema de inteligência artificial (IA) para rastrear a saúde dos recifes de coral – tudo através do poder da “música”.

As paisagens sonoras dos recifes de coral são complexas e diversas, com peixes e outras criaturas contribuindo para uma ampla variedade de ruídos que podem servir como uma maneira de monitorar a saúde de um determinado recife.

No entanto, o processo de análise dessas paisagens sonoras pode ser trabalhoso e demorado, e é aí que a IA pode fazer a diferença.

Como parte de um novo estudo, pesquisadores da Universidade de Exeter expuseram um algoritmo de computador a gravações de recifes saudáveis ​​e degradados, treinando a máquina para diferenciá-los.

O sistema então analisou novas gravações e conseguiu identificar corretamente a saúde do recife em 92% das vezes, disse a equipe.

Você pode não pensar apenas olhando para eles, mas os recifes de coral são na verdade “lugares muito barulhentos”, disse Ben Williams, principal autor do estudo, ao Euronews Next.

Em um recife próspero, você pode ouvir camarões estalando que soam como “o crepitar de uma fogueira ao fundo”, disse ele.

“E então, intermitentemente, há todos esses tipos de ruídos dos diferentes peixes, que podem ser como gritos, grunhidos e batidas, todos os tipos de coisas que você não esperaria de um peixe”.

No entanto, em um recife degradado, a paisagem sonora pode ser “muito mais desolada”, disse Williams. 

A “complexidade adicional” dos sons dos peixes – peixes se comunicando, se alimentando, se defendendo e assim por diante – muitas vezes está ausente.

Usando IA para salvar recifes de coral

Acompanhar a saúde de um recife de coral através de suas paisagens sonoras é uma maneira fácil de aprender sobre o estado de seu habitat, sem ter que usar métodos visuais, como enviar mergulhadores experientes.

“Podemos simplesmente jogar um hidrofone na água, deixá-lo por semanas ou meses, e fica muito fácil coletar um conjunto de dados de longo prazo”, disse Williams.

Analisar todos esses dados é outra questão.

“Temos que ouvir isso e apenas contar as gravações de peixes que ouvimos, o que leva séculos e é muito complicado”, disse ele.

Mas também lá, a IA pode ajudar a automatizar o processo – permitindo que as gravações sejam analisadas com muito mais rapidez e precisão, explicou ele.

“Então é uma dupla vitória nesse sentido”.

Espera-se que essa tecnologia possa contribuir para a luta pela preservação dos recifes de corais remanescentes do mundo, que são indicadores vitais das mudanças ambientais e também são particularmente vulneráveis ​​a essas mudanças.

Cerca de 25 a 50 por cento dos recifes de coral do mundo foram destruídos e outros 60 por cento estão sob ameaça, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Esses recifes são fontes vitais de alimentos e renda, e também protegem as costas de nações insulares de baixa altitude.

Cerca de 850 milhões de pessoas vivem a 100 km de um recife de coral e obtêm algum benefício econômico de seus serviços ecossistêmicos, segundo o PNUMA .

As gravações usadas no estudo da Universidade de Exeter foram feitas no Mars Coral Reef Restoration Project, que restaura recifes fortemente danificados na Indonésia.

No futuro, Williams diz que o trabalho da equipe pode ser estendido a locais em todo o mundo para ajudar em outros projetos de restauração.

“Agora queremos enviar gravadores para todo o mundo: para as Maldivas, para a Grande Barreira de Corais, para o México, para vários locais diferentes onde temos parceiros que podem coletar dados semelhantes”.

Fonte: https://www.euronews.com/next/2022/05/31/ai-can-track-the-health-of-coral-reefs-through-their-song-but-what-does-it-sound-like

Deixe um comentário

× Posso te ajudar?