Se alguma vez houve uma nação que poderia ver o propósito por trás da agricultura orgânica, sustentável, seria uma nação que é composta principalmente de agricultores. Esse lugar existe, e que em breve poderá ser a primeira nação a ser 100% orgânico, abrindo caminho para os outros a fazerem o mesmo em uma escala global.

O reino himalaio do Butão é conhecido por um alto nível de felicidade dos cidadãos, mas está fazendo algo ainda mais notável no futuro próximo. É o chamado “Política Nacional Orgânica”, e é alimentada pelo simples conceito de que trabalhar “em harmonia com a natureza” trará os resultados mais poderosos – tudo sem sacrificar a saúde humana ou do ambiente.

O que isso acarreta é nenhum produto geneticamente modificado, nenhum pesticida, nenhum herbicida, sem produtos à base de fluoreto, sem intrusão da Monsanto em tudo, e um monte de alimentos de alta qualidade disponível para os 700.000 cidadãos do Butão. Alimentos que, ao mesmo tempo, foram chamados simplesmente de “comida”. Na declaração aos outros políticos, o primeiro-ministro Jigmi Thinley explicou a mudança:

Ao trabalhar em harmonia com a natureza, eles podem ajudar a sustentar o fluxo de dádivas da natureza.

O Butão atualmente produz mais milho, arroz, frutas e alguns vegetais, e está perfeitamente posicionado para começar a desenvolver 100% de agricultura orgânica. Além de conter uma população que é na maior parte de agricultores, tem também terras extremamente ricas.

Algumas terras no Butão não foram sequer tocadas com produtos químicos de qualquer espécie, e técnicas tradicionais são utilizadas para produzir altos rendimentos, sem fazer a Monsanto mergulhar nos bolsos dos agricultores familiares. Isto está em nítido contraste com a comunidade agrícola da Índia, que foi abalada pela Monsanto e posteriormente apelidada de “cinturão do suicídio”, devido aos suicídios desenfreados que podem ser atribuídos, em parte, pela Monsanto induzindo a ruína financeira.

O consultor australiano do Butão, Andre Leu, explica:

Eu não acho que vai ser tão difícil dado que a maioria das terras agrícolas já são orgânicas por padrão.

A mudança é certamente inspiradora, mas também nos lembra sobre a verdadeira loucura de designar alimentos como “orgânicos” e “tradicionais” na sociedade moderna. Estes agricultores do Butão não estão crescendo feijões mágicos ou milho encantado, eles estão crescendo comida de verdade. Alimentos reais, cultivados por milhares de anos. Só agora, com o advento de formas que podem toxificar nossas culturas, valorizamos o orgânico, como se fosse algum privilégio ou ato de classe. Quando se trata disso, nós queremos apenas comida de verdade.

Fonte(s):

http://naturalsociety.com/bhutan-to-be-first-country-to-go-100-organic/

https://businesswatching.com/2019/04/01/butao-vai-ser-o-primeiro-pais-do-mundo-a-permitir-somente-agricultura-organica/

Deixe um comentário

× Posso te ajudar?